fevereiro 16, 2006

Lágrimas



"Sinto em meu peito algo se alojar.

Uma angustia, uma tristeza

Fazendo o peito ficar pesado.

Sinto na garganta um aperto, um nó

Sinto meus olhos nublando

e começando a lacrimejarem

E o pranto chega

Forte e límpido

As lágrimas escorem pela face

purificando a minha alma.

As lágrimas fluem compulsivamente.

Soluços ...

Aos poucos o nó na garganta se desfaz.

O peito fica mais leve.

As lágrimas secam

O sono chega

E eu adormeço com a alma mais leve”.

(By Lé)

3 comentários:

~*Vica*~ disse...

Acho que tu devia fazer uma coletânea destes teus poemas (se é que já não tens, né?), quem sabe publicar um livro? Bjs

Nessita! disse...

A Vica tem razão. Teus poemas são lindos demais!

Escreve bastante, faz um livro com o nome Relicário hehehehe

beijocas

_L_O_G_A_N_ disse...

"...Então o anjo falou e sua voz cortou os ares como estridente lâmina ao tímpano:

- Já mais nada tenho a fazer por ti, por isso me despeço e vou!

- Não vás! Apesar de nunca te-lô percebido, agora vejo a falta que me fará!

O Anjo reluzente virou-se trovoando seu dourado manto já seguindo para as nuvens, e falou:

- Reparas em ti e perceberás que nada mais tenho à iluminar!

Então olhou e percebeu que flutuava, sua pele era dourada como ouro e uma luz vertia de seus olhos...
ela tornava-se um anjo..."

d;p