novembro 24, 2007


" Por muito tempo achei

que a ausência é falta.

E lastimava, ignorante, a falta.

Hoje não a lastimo.

Não há falta na ausência.

A ausência é um estar em mim.

E sinto-a, branca, tão pegada,

aconchegada nos meus braços,

que rio e danço

e invento exclamações alegres,

porque a ausência,

essa ausência assimilada,

ninguém a rouba mais de mim"


(Carlos Drummond de Andrade)

7 comentários:

Moni disse...

love, love, love....

:P

Guiga disse...

Eu demoro a digerir poemas...mas acho que gostei. Acho que entendi. Hahahahaha!

Nessita! disse...

lindo! como sempre, o mestre Drummond, né?

bjus!

MIMOS_DA_JÊ disse...

Bom dia !! Amiga, tem um mimo pra vc no meu blog. Espero por sua visita !!

Bjocas e uma boa semana!!

Mari Thomé disse...

Ausência de que ou de quem??
;)

Beijos pra ti!
Adorei o churras e estou sempre torcendo por ti!!!

Mari Thomé disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Mari Thomé disse...

escrevi duas vezes... :P