novembro 29, 2006

Amar


Que pode uma criatura senão,
entre criaturas, amar?
Amar e esquecer, amar e malamar,
Amar, desamar, amar?
sempre, e até de olhos vidrados, amar?

Que pode, pergunto, o ser amoroso,
sozinho, em rotação universal,
senão rodar também, e amar?
Amar o que o mar traz à praia,
o que ele sepulta, e o que, na brisa marinha,
é sal, ou precisão de amor, ou simples ânsia?

Amar solenemente as palmas do deserto,
o que é entrega ou adoração expectante,
e amar o inóspito, o cru,
um vaso sem flor, um chão de ferro,
e o peito inerte, e a rua vista em sonho, e
uma ave de rapina.

Este o nosso destino: amor sem conta,
distribuido pelas coisas pérfidas ou nulas,
doação ilimitada a uma completa ingratidão,
e na concha vazia do amor a procura medrosa,
paciente, de mais e mais amor.

Amar a nossa falta mesma de amor,
e na secura nossa amar a água implícita,
e o beijo tácito, e a sede infinita.

(Carlos Drummond de Andrade)

5 comentários:

Jane disse...

Linda poesia. Adorei seu blog.

Nessita! disse...

Drummond é fantástico! Nada como uma poesia de amor pra eu ficar ainda mais apaixonada rsrsrsrs

bjs

Jane disse...

Oi! Obrigado pela visita, eu consegui o estágio! :D

Nessita! disse...

:)))

*Bijou* disse...

Ah, esse escritor é o máximo! XD Grande escolha!
Querida, estou de blog novo. mudei nome, endereço, tudo. então o link aí que vc tem do lado já não serve mais. Visite-me, venha conhecer como está hj (cá entre nós, bem melhor! XD)
Abraços!
P.S.: Como aqui não permite outro nome, vou por meu antigo nome (qdo eu era do blogspot0. Mas eu sou a Bijou, viu? XD
Meu blog novo: www.love-memory.org/coffeebreak